O mundo das startups possui infinitas oportunidades. Além das ideias de carros autônomos e projetos de ir para Marte, está a possibilidade de abrir uma empresa nos EUA, sem necessariamente ser cidadão americano e/ou estar fisicamente no país.

Essa pode ser uma ótima alternativa para quem quer ter negócios além das fronteiras nacionais e enfrenta burocracias e barreiras para abrir conta em outros países. Vou mostrar como é possível fazer a incorporação, e também oferecer a opção de dar assessoria.

Abrir empresa nos Estados Unidos na prática

Apostar em uma investida no exterior é uma alternativa para buscar investimento em um local mais propício para que ideias saiam do papel. Mas logo nos questionamos: quanto isso custará? Será que realmente compensa? Qual meu esforço? Preciso largar tudo? Quais são as implicações? Quais as possibilidades de seguir adiante com uma startup e expandir o negócio usando os diferentes tipos de investimentos oferecidos?

É notória a quantidade de empresas que conseguem investimento massivo para crescer seu negócio no Vale do Silício, mas há também um grande número das que falham miseravelmente. Temos que ser realistas e levar em conta as limitações encontradas – vou falar um pouco delas aqui, pois estou passando por esta experiência atualmente.

Abra sua empresa no exterior e comece a divulgar sua ideia e buscar formas de tirá-las do papel.
Foto de Teemu Paananen no Unsplash – Stockholm, Sweden

Qual o custo disso?

Abrir uma empresa nos EUA custa em torno de US$ 600 por ano. Este valor, comparado ao valor do MEI no Brasil de R$ 600 anuais para o microempreendedor se manter ativo, é bastante competitivo. A diferença de seguir como empreendedor no Brasil está no fato do empresário ter os direitos da previdência e aposentadoria com a qual ele contribui, incluindo o MEI. Já no caso dos EUA, você está investindo em outro país como um estrangeiro, e isso tem implicações e desvantagens quando pensamos a longo prazo.

Por outro lado, há várias limitações no Brasil para atingir mercados mundiais, que deixam de ser um empecilho quando se tem uma empresa no berço do Vale do Silício. Além do quê, abrir conta no modelo MEI nos limita em questões de sociedade e faturamento.

De qualquer forma, o MEI é um ótimo ponto de partida para um negócio, já que não exige se comprometer totalmente – além de evitar sugar o (pouco) que se produz com impostos, taxas e burocracias.  Estou com um MEI há menos de um ano com uma agência de viagens digital, a Truppie.

Mas vale destacar que só foi possível abrir uma empresa como MEI por estar dentro da categoria Agência de viagens. É preciso verificar se o seu negócio se enquadra antes de mais nada.

Por onde começar?

Acompanhado pela onda dos sucessos de startups como o Airbnb e o Dropbox, o Stripe, uma das maiores plataformas de pagamento online, lançou um serviço que lhe permite abrir uma startup através de uma plataforma online, chamada Atlas. Com o Atlas, você tem uma conta Stripe para pagamento vinculada a um banco, onde é possível realizar transações e operar como um marketplace em vários países do mundo. No Brasil, isso ainda está no pré lançamento, tendo ainda algumas limitações. Mas através de convites podemos começar a usar uma das melhores plataformas de pagamento do mundo. Ela tem inclusive API’s e projetos Open Source, e falo nesses artigos o quanto isso é importante e traz muitas oportunidades para o desenvolvimento do seu negócio.

Assim como a Amazon transformou a infraestrutura como serviço, o Stripe lançou um serviço que faz com que a abertura de uma startup seja possível de qualquer lugar do mundo por um preço acessível e pago diretamente pelo site através de cartão de crédito.

Para que o serviço se torne viável, o lugar onde a empresa será aberta precisa ser propício e ter leis que favoreçam empreendedores, pois ela, mesmo online, precisa estar fisicamente em um local. O local escolhido pelo Atlas é uma área preparada para receber empresas do mundo todo e captar investimento: Califórnia, EUA. E é justamente lá que sua conta será aberta.

Como funciona o Stripe Atlas

O serviço do Stripe Atlas inclui a abertura da sua empresa por US$ 400, mais US$ 100 de manutenção anual para você ter um representante fiscal nos EUA. Você também precisará fazer o equivalente à declaração de imposto de renda; para isso, é possível contratar serviços para controle da conta e da empresa e consultoria através do próprio site. Veja o exemplo abaixo:

Gerenciamento da startups, com todos os documentos usados na incorporação da empresa, links e lembretes  importantes. Imagem: Alexandre Magno, dashboard do Stripe Atlas

O modelo de negócio do Stripe é simples: ele cobra uma taxa para cada transação efetuada. Você pode consultar as taxas no site deles.

No entanto, posso enviar o convite para que você tenha isenção de US$ 5000 quando processar pagamentos online com cartão de crédito. Basta se cadastrar aqui:

[mks_pullquote align=”left” width=”600″ size=”18″ bg_color=”#21759b” txt_color=”#ffffff”]

Inscreva-se aqui para abrir sua empresa pelo Stripe e tenha US$ 5000 de isenção de taxas.


    [/mks_pullquote]

    [mks_separator style=”blank” height=”10″]

    Abertura de conta

    Você abre uma conta bancária no Silicon Valley Bank, que fica conectada à sua conta Stripe de pagamentos. Com isso, é possível realizar transações através de cartão de crédito e receber valores no modelo de pagamento direto ou marketplace para a maioria dos países do mundo.

    Com o Atlas, a incorporação da sua empresa no Vale do Silício é feita remotamente, e você declara seu endereço no país de residência, uma vez que é permitida a abertura de empresa a não-residentes na terra do tio Sam nessa jurisdição.

    Experiência após um ano

    Já faz um ano que publiquei como abrir uma Startup sem fronteiras, e, consequentemente, um ano que abri a minha empresa, e já passei pelo tão esperado momento de fazer a declaração dos impostos. Foi tudo muito fácil e transparente; não tive nenhuma dor de cabeça, e tive toda a assessoria necessária e contratação de serviços para realizar a declaração.

    Abrir uma empresa no exterior é vantagem para você?

    A primeira pergunta que devemos fazer é se o seu negócio será digital e global. Uma das maiores vantagens de ter esse modelo de empresa é poder aceitar pagamentos no mundo todo. Se você trabalha com serviços e não quer se limitar apenas ao mercado brasileiro, esse tipo de investimento é uma porta de entrada para poder receber pagamentos pelos serviços no mundo inteiro, principalmente se você trabalha no modelo de marketplace.

    Um pouco da experiência como empreendedor de meio período

    Outra questão que surge naturalmente é o fato de você ter que largar tudo para começar um negócio do zero. A minha experiência foi sempre sofrer com este dilema, e até ver amigos saindo dos empregos para se aventurarem. No entanto, eu segui trabalhando contratado em várias oportunidades ao longo do tempo e sempre estive feliz com isso. Com o tempo, descobri que não preciso tomar uma decisão agora; é possível tocar um negócio em paralelo, tendo consciência dos desafios e sacrifícios para não me prejudicar em nenhum dos lados.

    Importante: é preciso saber se o seu negócio empreendedor entra em conflito com a empresa em que você trabalha. Tenha certeza que você não está ferindo nenhum compromisso e acordo de trabalho.

    Ainda não vi uma tradução mais difundida para o termo empreendedor de meio período, originalmente conhecida como part time entrepreneur. Também tem uma outra carreira conhecida como Sole Entrepreneur, que, traduzindo ao pé da letra, seria um empreendedor solo. Eu já falei um pouco de como gerenciar um projeto usando metodologias ágeis e aplicando no gerenciamento solo de seus projetos, com o Trello.

    É possível trabalhar de casa e gerir uma empresa?
    Foto: Blog do Trello – http://br.blog.trello.com/vagas-trabalho-remoto/

     Se seu negócio é ter empresa e viajar o mundo

    Os tempos atuais são dos empreendedores globais. Aqueles que são capazes de alavancar a tecnologia e dar condições de ultrapassar barreiras econômicas e legais para resolver um problema. Esses conseguirão inovar e contribuir com diversos países e favorecer a economia global com liberdade e responsabilidade.

    A possibilidade de ter negócios digitais e globais levou à criação de a uma nova categoria de profissionais: os nômades digitais. Eles nada mais querem do que ter a flexibilidade de trabalhar de qualquer lugar e, assim, poder passar um tempo morando em diversos países do mundo.

    Mesmo em um mundo globalizado, tornar-se um nômade digital não é isento de grandes desafios. Ainda há muitas barreiras fundadas em um modelo econômico do passado. Mas, para nossa alegria, há países buscando formas de facilitar a vida desses empreendedores, pois eles trazem novos negócios e, querendo ou não, eles estão mudando a economia de vários locais. Veja o caso da Estônia, que está propondo ao governo a criação do primeiro visto de nômade digital do mundo!

    Gestão e desenvolvimento da empresa

    Com a empresa aberta, seja no modelo de um local físico ou remoto, dedicando meio período ou totalmente, temos que ter uma estratégia de como iremos geri-la para crescer e trazer os resultados esperados.

    Times remotos e distribuídos

    Uma das opções mais atraentes e flexíveis é trabalhar com times remotos e distribuídos, contratando os serviços necessários com freelancers ou até mesmo contratando pessoas em diferentes lugares do mundo, permitindo uma troca cultural da empresa e abrindo uma visão mundial do negócio.

    A Zapier, por exemplo, é uma startup significativa que trabalha na integração de serviços, e adotou o modelo 100% remoto. Ela conseguiu difundir uma cultura de colaboração independentemente de onde você estiver trabalhando.

    Guia do Zapier de trabalho remoto   (em inglês)

    Consultoria da Work’n Enjoy

    A startup que abri para encarar o mundo do empreendedorismo é a Work’n Enjoy. Com ela, pretendemos ajudar empresas que ainda não foram formadas ou já consolidadas a tirarem proveito das ferramentas digitais, trabalho remoto e flexível para conseguir expandir o negócio.

    Diferente de outros modelos, de abrir um escritório e começar a contratar funcionários, trabalhamos sob demanda. Assim você tem a chance de validar sua ideia com o investimento necessário para concretizá-la, e, sabendo dos riscos, você investe somente o necessário para validar o produto.

    Como fazemos isso com empresas?

    Com a Work’n Enjoy, você pode contratar serviços de desenvolvimento e marketing de conteúdo, criação do site e infraestrutura para seu projeto ser lançado, ou para dar manutenção. Usamos e recomendamos diferentes plataformas para trabalharmos em conjunto, atuando na validação do negócio e uso das ferramentas.

    As principais estão numa dupla: Trello e Github [mks_icon icon=”fa-heart” color=”#21759b” type=”fa”]

    Usamos o Trello para organizar suas ideias do projeto e, integrado ao Github ou Bitbucket, levantamos as tarefas do desenvolvimento para que desenvolvedores freelancers as realizem sob demanda de forma integrada através do Gitpay.

    As tarefas então são validadas e, quando aprovadas, vão para o site do cliente. Esaa forma de trabalho utiliza o Git Workflow para times distribuídos, uma forma consolidada em diversos projetos open source e de larga escala.

    Trello e Github, juntos podem dar todo o poder de gerenciamento e desenvolvimento para organizar seu negócio. Foto: Blog do Trello

    Deixe seu e-mail para receber nosso convite!

    [mks_pullquote align=”left” width=”600″ size=”18″ bg_color=”#21759b” txt_color=”#ffffff”]

    Inscreva-se aqui para abrir sua empresa pelo Stripe e tenha US$ 5000 de isenção de taxas.


      [/mks_pullquote]

      7 Replies to “Como abrir e gerenciar uma empresa nos EUA sem sair de casa”

      1. Olá Alexandre, tudo bem?

        Artigo sensacional! Nunca havia ouvido falar sobre esse serviço da Stripe!

        Estou pensando em empreender internacionalmente e ainda tenho algumas dúvidas relacionadas ao que você escreveu.

        Você teve que contratar serviços adicionais (fora dos US$ 600 previstos) para fazer a declaração de impostos?

        Além disso, como funciona a transferência do lucro obtido da empresa nos EUA para o Brasil? Sai muito caro?

        E a declaração desse dinheiro aqui no Brasil para a Receita Federal, como funciona?

        1. Olá Bruno,

          Que bom que o artigo tenha sido útil!

          Respondendo suas perguntas

          Você teve que contratar serviços adicionais (fora dos US$ 600 previstos) para fazer a declaração de impostos?
          Se não quiser ter trabalho com advogado e questões específicas, no meu caso que o negócio ainda não exigiu complexidade nem ganhos significativos contratei um serviço que cobra em torno de $250 que considero barato para fazer a declaração completa e aplicar para você.

          Além disso, como funciona a transferência do lucro obtido da empresa nos EUA para o Brasil? Sai muito caro?
          Essa parte eu não posso dizer muito pois não tenho que declarar para o Brasil e o dinheiro é reinvestido lá, mas com a sua conta você pode realizar transferências internacionais e declarar no Brasil, mas vai depender se você tem empresa filial a esta no Brasil, ou vai contar unicamente com a aberta internacionalmente.

          E a declaração desse dinheiro aqui no Brasil para a Receita Federal, como funciona?
          Esta parte também não passei pela experiência, mas acredito que seria o mesmo que se estivesse trabalhando do Brasil para os EUA, você paga os impostos nos EUA.

        2. olá Bruno,
          cada vez que tem distribuição dos lucros (dos dividendos) indipendentemente que seja transferido por aqui no Brasil – a tributação è até o 27,5% . Se vc transfere da conta da empresa por uma conta pessoal – como disse indipendentemente se è uma conta aqui no brasil ou no exterior – tem que ser tributado. E’ um equivoco difuso pensar que se os dividendos ficam afora não são tributados até ser transferidos no Brasil.
          Mas até que não tem distribuição não paga no brasil como pessoa fisica porque vc efetivamente não recebeu rendimentos. O que è pago são os impostos no EUA. Espero ter ajudado

      2. Alexandre boa tarde, adorei seu artigo, fiquei com uma dúvida:

        Eu sou MEI aqui no Brasil e pretendo ano que vem me mudar para os EUA, caso eu abra uma empresa lá eu perco meus direitos como MEI? Por exemplo aqui no Brasil se eu for registrada e demitida possuindo MEI eu não tenho direito a seguro desemprego, pois, caracteriza que eu tenho outra fonte de renda, eu gostaria de saber como funciona tendo MEI aqui e abrindo uma empresa fora se eu terei os direitos aqui no Brasil.

        1. Olá @Glória, você não perderá seus direitos e continuará tendo o MEI, e ela não terá ligação com seu MEI ao menos que você registre na empresa dos EUA a sua filial como tal, o que não acredito que seja permitido.

      3. Olá Alexandre, gostei muito do seu artigo. Gostaria de mais informações sobre sua consultoria, eu já tenho empresa no Brasil mas tenho interesse de abrir um nos EUA. Por favor entre em contato no meu email. Obrigado.

      4. …Sem duvida, suas informações são muito importantes! Pois empreender em outro pais, principalmente estados unidos, é para maioria coisa de outro mundo. Já tive uma empresa aqui. “mei” fechei para receber um beneficio. hoje vivo desse salário. Mas tenho um velho sonho, é um empreendimento único, ele envolve diversão, vendas de produtos, cultura, nao há concorrentes. Pretendo uma parceria com empresas já existentes, no ramo de diversão. Meu projeto entra como um diferencial; e proponho administrar com “mão de ferro” penso na região do “napa valey” ali parece reduto de empresas para esse ramo.
        Vc nao poderia me auxiliar? antecipo meue muito obrigada pela atenção que me der.sou: Zai.

      Deixe um comentário

      O seu endereço de e-mail não será publicado.